Mercado Imobiliário

Qual o valor máximo para fazer um financiamento de imóveis?

O financiamento de imóveis é um recurso bastante utilizados pelas famílias brasileiras para comprar sua casa própria ou apartamento. O financiamento realmente facilita a aquisição do imóvel, dividindo seu pagamento em parcelas que podem atingir o prazo de até mais de 30 anos. Porém, este método não é tão simples como muitas pessoas pensam.

Existem critérios para que o financiamento seja liberado, principalmente, a relação da renda mínima familiar e o valor máximo do imóvel. Compreenda como o valor máximo de um imóvel interfere no seu financiamento.

Sistema Financeiro da Habitação (SFH)

Esse sistema, criado pelo governo federal, é o mais utilizado em financiamentos imobiliários no Brasil. Podem ser aplicados recursos do FGTS (Fundo de Garantia por Tempo de Serviço) e do SBPE (Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo). O SFH financia transações imobiliárias de até R$ 750.000,00 nos estados de Minas Gerais, Rio de Janeiro, São Paulo e Distrito Federal e de até R$ 650.000,00 nos demais estados.

No caso de financiamentos do SFH envolvendo recursos do SBPE e imóveis usados, a Caixa Econômica Federal (CEF) diminuiu o limite de parcelamento de 80% para 50% do valor total do imóvel.

Sistema Financeiro Imobiliário (SFI)

Para esse sistema de financiamento, destinado principalmente para grandes investidores institucionais, a CEF baixou o limite máximo de parcelamento de 70% para 40% do valor total do imóvel.

Minha Casa, Minha Vida

Esse é outro sistema de financiamento do governo federal que se popularizou bastante por causa das melhores condições para as classes de menor poder aquisitivo. Pelas novas normas, o limite do valor do imóvel financiado pode ser de até R$ 225.000,00 para regiões metropolitanas de São Paulo, Rio de Janeiro e Distrito Federal (antes, o valor limite do imóvel para essas regiões era de até R$ 190.000,00); para Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, Minas Gerais e Espírito Santo, o valor limite do imóvel é de R$ 200.000,00.

Para os demais estados, o valor limite cai para R$ 180.000,00. Houve também um reajuste para municípios com até 20.000 habitantes: valor do imóvel de até R$ 90.000,00. Para a faixa 1,5 (famílias com renda mensal de até R$ 2.300,00), o valor limite do imóvel varia entre R$ 120.000,00 e R$ 135.000,00, dependendo do local da residência.

Pró-Cotista

Pró-Cotista é uma linha de financiamento imobiliário restrita aos trabalhadores com conta vinculada ao FGTS há mais de 3 anos, oferecida principalmente pelo Banco do Brasil (BB) e Caixa. Esse sistema aceitava financiamento de imóveis de até R$ 750.000,00 em Minas Gerais, Rio de Janeiro, São Paulo e Distrito Federal e de até R$ 650.000,00 nos outros estados (seguindo o modelo do SFH) — contudo, esse valor máximo caiu para R$ 400.000,00.

De qualquer modo, essa linha apresenta boas vantagens, pois oferece menores taxas de juros, prazos de até 360 meses e até 80% de financiamento do valor do imóvel (CEF) ou 90% (BB), independente de ser novo ou usado.

Entradas maiores

Diante das novas mudanças e considerando especialmente a CEF, o valor das entradas para o financiamento de imóveis aumentou. Se alguém, por exemplo, deseja comprar um imóvel cujo valor é de R$ 500.000,00 (sem adesão ao Minha Casa, Minha Vida, nem usar o FGTS) só poderá financiar 50% desse valor, comprometendo-se, portanto, a dar como entrada os outros 50% (R$ 250.000,00).

Outro exemplo: se o consumidor deseja comprar um imóvel de R$ 250.000,00, poderá financiar R$ 200.000,00 se o imóvel for novo e R$ 125.000,00 se já for usado.

E você, o que pensa sobre o valor máximo para financiamento de imóveis? Já utilizou alguma destas alternativas? Compartilhe sua opinião através dos comentários!

 
Você deve gostar também
Por que devo contratar um corretor de imóveis?
Vale a pena pagar aluguel?
Consórcio ou financiamento imobiliário: qual o melhor?

Deixe seu comentário

Seu comentário*

Seu nome*
Sua página da Web